ÁLCOOL E O TABACO Tabaco

No ambiente laboral, normalmente os programas estão relacionados a duas substâncias que mais causam prejuízos: O Álcool e o Tabaco.

 

Na empresa, buscamos desmistificar a prevenção, elaborando projetos ‘simples’ porém eficientes, que também procurem minimizar custos e dificuldades operacionais.

Além disso, conforme experiências passadas e dentro dos padrões de prevenção as drogas, desenvolvemos temas que buscam a valorização e qualidade de vida.

 

Aproveitando datas específicas podemos abordar conjuntamente temas como:

 

  • Violência no trânsito; Alimentação saudável; Prevenção ao câncer; Cidadania; etc.

 

Claro que constantemente surge a necessidade de um acompanhamento mais presente em função da demanda de abordagens, pré-diagnósticos, encaminhamentos, orientação familiar e prevenção de recaída. 

Muitas vezes o usuário busca nas SPAs – Substâncias Psicoativas – um alívio para seus problemas, sua ansiedade, seus temores, perdas, e outras dificuldades.

Em boa parte das vezes, a questão da família diante da dependência química é abordada em função do sofrimento intenso causado pela existência de um membro adicto e todos os desgastes decorrentes deste fato.

Atualmente, os estudiosos estão olhando para a família com vivência das drogas como a fonte das adicções ou como favorecedora para o surgimento das mesmas em função da transmissão de uma cultura do uso abusivo de substâncias químicas entre familiares.

Algumas famílias disfuncionais já se apresentavam desorganizadas mesmo antes do problema aparecer, mas isto era ignorado ou contornado, de modo que aparentemente as questões familiares iam se desenvolvendo normalmente.

Quando o problema ocorre, estas questões que eram tratadas superficialmente vêm à tona, e o clima organizacional se transforma. Inicia-se um transtorno no núcleo familiar onde todos os membros estão afetados e são chamados a verem qual o papel de cada um frente a este problema.

O contato mais direto com o dependente químico revela uma série de experiências que envolvem a família, não apenas como vítimas da adicção de um membro ou co-dependentes desta adicção, mas também como um complexo grupo social que, muitas vezes, se estrutura em torno do uso de substâncias químicas.

 


Etapas de implantação do Programa para dependentes químicos na empresa: