Main Menu

Auditoria de Segurança do Trabalho Normas Regulamentadoras

Auditoria de Segurança do Trabalho Normas Regulamentadoras

A Auditoria de Segurança do Trabalho Normas Regulamentadoras de segunda parte tem como principal objetivo verificar aderência da empresa a Legislação, estagio cultural em relação HSE (Segurança, Saúde e Meio Ambiente) e proposta de adequações e melhorias para área de saúde e segurança.

Realizar Auditoria e avaliação da organização sob o aspecto das melhores práticas de Saúde e Segurança. A Auditoria tem como base a legislação NR´s portaria 3.214 e nos elementos de sistema de gestão de empresas de classe mundial em saúde e segurança, os quais são correlacionados com os elementos aplicados pela empresa. 

A Auditoria se estende também as políticas da companhia, tais como:

  • 1) Liderança, atribuições e responsabilidades;
  • 2) Requisitos Legais e outros;
  • 3) Gestão de Riscos e Gerenciamento de Mudanças;
  • 4) Objetivos, Metas e Gestão de Desempenho;
  • 5) Capacitação, Educação e Conscientização;
  • 6) Comunicação e Consulta;
  • 7) Respostas a Emergências;
  • 8) Gestão de Contratadas e Fornecedores;
  • 9) Ações Preventivas, Corretivas, Análise de incidentes e Desvios;
  • 10) Monitoramento e Melhoria Continua, bem como procedimentos correspondentes.

ETAPAS

Etapa 01 – Definição do Mind Map
Nesta etapa é realizado o Levantamento de todas as Normas de Segurança do Trabalho, Saúde Ocupacional e Meio Ambiente aplicáveis a empresa.

Etapa 02 - Estudo de GAP ANALYSIS
Realização da Auditoria de Segurança do Trabalho com o propósito de identificar todas as irregularidades/oportunidades de melhorias das unidades, tanto no âmbito normativo quanto na prevenção da integridade física e saúde do trabalhador. O relatório da auditoria de segurança do trabalho é composto por evidências fotográficas.

Etapa 03 – Plano de Ação e Road Map
Elaboração das Proposições Técnicas para adequação das possíveis irregularidades e não conformidades identificadas na etapa 02 e Elaboração do Plano de Ação junto a empresa.

Etapa 04 – Relatório Conclusivo
Elaboração/conclusão do relatório técnico do Diagnóstico de segurança do Trabalho.

Etapa 05 – Treinamento de alinhamento
Treinamento de entrega e conclusão da Auditoria. Este treinamento visa transmitir de forma clara e objetiva todos os itens levantados e apontados no relatório Técnico, além de sanar quaisquer dúvidas sobre o conteúdo.

AUDITORIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

Verificação das instalações da empresa, na busca de condições inseguras e insalubres em todos os setores de trabalho, através de visitas em campo, com equipe técnica qualificada para análise dos locais de trabalho, procedimentos, rotinas e comportamentos dos funcionários e prestadores de serviços para detectar as não conformidades relacionadas as Normas Regulamentadoras do M.T.E. aplicáveis ao negócio, legislações que tratam sobre o assunto e os padrões de segurança da empresa.

No desenvolvimento da Auditoria de Segurança do Trabalho deve ser considerado os aspectos físicos e comportamentais, incluindo:

a) Entrevistas Estruturadas com:
Gerentes, Coordenadores e Supervisores
Profissionais de Segurança do Trabalho
Profissionais das áreas de operação, manutenção, administrativos e serviços gerais
Profissionais terceiros fixos

b) Observações em Campo:
Atos seguros
Atos inseguros
Condições inseguras

c) Análise do Processo:
Relatos de incidentes e desvios
Relatórios de investigação
Amostra de procedimentos

d) Organização:
Papéis e responsabilidades
Habilidades e desempenho

e) Procedimentos:
Desenvolvidos
Comunicados
Cumpridos
Disciplina

f) Análise de Dados:
Revisão dos incidentes
Taxa de frequência
Indicadores reativos e proativos
Indicador de performance

g) Revisão das Iniciativas em Segurança:
Levantamento das iniciativas
Análise dos fatores críticos de sucesso

h) Maturidade Cultural:
Atitudes
Percepções
Valores
Metas e Objetivos

  • PLANO DE AÇÃO DA AUDITORIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

Elaboração de relatório técnico da análise realizada através das visitas em campo, com registros de todos os problemas detectados e estruturação do plano de ações, com as providências necessárias e definição das prioridades conforme a criticidade das não conformidades. 

 AUDITORIA DE NORMAS REGULAMENTADORAS

 FINALIDADE

Auditoria de Segurança do Trabalho considerando perigos e risocs e análise de atendimento à legislação de Segurança do Trabalho de acordo com as Normas regulamentadoras - Lei 6514/77 e Portaria 3214/78, com a finalidade de identificar as oportunidades de melhorias e realizar recomendações técnicas para todas as observações levantadas.

 OBJETIVOS GERAIS

Preservar a saúde e a integridade física dos trabalhadores envolvidos nas atividades, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e consequente controle dos riscos de acidentes e doenças ocupacionais.

Nosso processo de auditoria objetiva levantar RISCO X PERIGO e análise de atendimento à legislação de Segurança do Trabalho de acordo Lei 6514/77 e Portaria 3214/78 MTE (REQUISITOS LEGAIS EM SEGURANÇA DO TRABALHO), com a finalidade de identificar as oportunidades de melhorias e realizar recomendações técnicas para todas as observações levantadas.

 

  • METODOLOGIA - FERRAMENTAS ESPECÍFICAS
  • Auditoria de Requisitos legais das NR´s (Normas Regulamentadoras).
  • Auditoria de PERIGOS X RISCOS existentes em todas as áreas da empresa, com objetivo de avaliar e/ou identificar condições que exponham colaboradores a risco de acidente.

 O protocolo de aderência a legislação brasileira é aplicado na integra e é elaborado plano de ação em conjunto com as lideranças.

 No levantamento dos riscos, seguimos geralmente uma metodologia estruturada, de forma atingir os resultados esperados. A metodologia utilizada é a seguinte:

 Auditoria de segurança do trabalho metodologia

  • AUDITORIA DE APLICABILIDADE NORMATIVA – NORMAS REGULAMENTADORAS:

 Trata-se de uma auditoria utilizada para mensurar quanto a empresa está atendendo da legislação em Segurança e Medicina do Trabalho.

 

EXEMPLO Auditoria de segurança do trabalho normas regulamentadoras nr´s

EXEMPLO – REPRESENTAÇÃO GRÁFICA AUDITORIA DE NORMAS 

 Auditora de segurança do trabalho gráficos

 

 Auditoria de segurança do trabalho porcentagens

  • GERENCIAMENTO DE PERIGOS E RISCOS:

 A metodologia aplicada respeita o sistema de análise de riscos descrito na norma NBR/ISO 12100, onde por meio de uma sequência de passos são determinados os limites de segurança, identificando o perigo, estimando o risco, avaliando o risco, elaborando contra medidas e estabelecendo um padrão de segurança aceitável para o trabalho.

 A fase relacionada à identificação dos perigos ou condições perigosas se resume na identificação sistemática dos perigos razoavelmente previsíveis, situações perigosas, e eventos perigosos que possam ocorrer.

 A estimativa de riscos é a etapa que deve ser realizado um levantamento criterioso e detalhado das informações relacionadas aos perigos identificados anteriormente, analisando quais as energias relacionadas a cada condição perigosa, de forma a determinar a probabilidade e a consequência caso essa energia venha a se materializar em forma de eventos indesejáveis.

 APRECIAÇÃO DE RISCOS - FERRAMENTA HRN - Hazard Rating Number:

Será utilizado como ferramenta para quantificação e graduação do risco o método HRN (Hazard Rating Number), ou seja, Número de Avaliação de Perigos.

Entre as diversas técnicas existentes, o HRN (Hazard Rating Number) oferece um enfoque analítico para o método de Análise Preliminar de Risco. O HRN é um método quantitativo onde valores numéricos são indicados nos seguintes fatores: Probabilidade de Exposição (PE), Frequência da Exposição (FE), Probabilidade Máxima de Perda (MLP) e Número de Pessoas Expostas ao Risco (NP). Um valor numérico representa o valor do HRN, que deve ser calculado para cada perigo identificado utilizando a seguinte equação:

HRN = PE x FE x MLP x NP

Os valores que devem ser utilizados na fórmula para determinar o HRN são apresentados conforme as

figuras 2, 3, 4, 5 e 6. A Probabilidade de Exposição (PE) determina qual a probabilidade de uma pessoa ficar exposta às condições perigosas.

Probabilidade de Exposição (PE)

0

Quase impossível / Possível sob circunstâncias extremas

1

Improvável / Apesar de concebível

2

Possível / Mas não atual

5

Alguma chance / Poderia acontecer

8

Provável / Grande chance de acontecer (sem surpresas)

10

Muito provável / De se esperar

15

Certo / Nenhuma dúvida

 

Frequência de Exposição (FE)

0,1

Raramente

0,2

Anualmente

1

Mensalmente

1,5

Semanalmente

2,5

Diariamente

4

Em termos de hora

5

Constantemente

 

Probabilidade Máxima de Perda (MPL)

0,1

Arranhão / contusão leve

0,5

Dilaceração / doenças moderadas

1

Fratura / enfermidade leve (temporária)

2

Fratura / enfermidade grave (permanente)

4

Perda de um membro / olho ou doença séria (temporária)

8

Perda de dois membros / olho ou doença séria (permanente)

15

Fatalidade

 

Número de Pessoas Expostas (NP)

1

1 – 2 pessoas

2

3 – 7 pessoas

4

8 – 15 pessoas

8

16 – 50 pessoas

12

Mais de 50 pessoas

 

Os valores numéricos máximos e mínimos que poderão ser atribuídos para cada fator de risco, considerando cada condição perigosa, que também determina qual o tempo necessário para implantação do controle de segurança para diminuição do fator de risco e comentários que devem ser levados em consideração.

Com base nos valores e nas variáveis pré-estabelecidas podemos chegar ao valor que determina o nível de risco mínimo e máximo avaliado pelo método HRN. A tabela que se segue mostra o grau de risco e o range de perigo que pode ser calculado:

 

Aceitável

Não apresenta riscos para a saúde e segurança, não são requeridas medidas de controle.

Muito baixo

Apresenta risco muito baixo para a saúde e segurança, pode precisar do uso de equipamento de proteção individual e/ou treinamento.

Baixo

Presença de risco a saúde e segurança, mas é baixo. Devem ser consideradas medidas de controle.

Significante

O risco associado com o perigo é suficiente para requerer medidas de controle.

Alto

Perigos potenciais, os quais requerem medidas de controle para serem implantadas com urgência.

Muito alto

Medidas de controle devem ser implantadas imediatamente.

Extremo

Medidas de controle devem ser implantadas imediatamente, o equipamento não deve ser utilizado ou a específica tarefa perigosa não deve ser realizada.

Inaceitável

Deve ser paralisada a atividade até que controles sejam implantados.

 

 

AVALIAÇÃO DE RISCO

Durante a etapa de avaliação dos riscos, deve ser analisado se o risco identificado é considerado aceitável ou não, caso seja aceitável, considera-se então que não é necessário nenhum tipo de controle adicional, caso não seja aceitável, será necessário determinar as medidas de controle necessárias para tornar o risco aceitável.

A determinação dos novos controles ou alterações dos controles já implantados deve ser aplicada seguindo os requisitos das normas de segurança do trabalho do MTE e aos protocolos da empresa, aplicando a hierarquia de controles, conforme abaixo:

  • Eliminação: Onde o perigo ou a condição perigosa passa a não existir mais durante a realização da atividade;
  • Substituição: Quando algum material ou substância é substituído por outra menos perigosa;
  • Controle de engenharia: Instalação de proteções físicas ou sistemas, de acordo com o estado da arte, que visa “separar” as pessoas da condição perigosa;
  • Sinalização/avisos ou controles administrativos: Podem ser realizados através da instalação de placas com advertências e informações sobre a correta realização da atividade, assim como elaboração de procedimentos operacionais que garantam o trabalho seguro.
  • Equipamentos de proteção individual: São os EPIs utilizados pelas pessoas que realizam a atividade e tem como principal função de proteger o trabalhador caso a energia da condição perigosa seja liberada, diminuindo assim uma possível consequência.

 

 HRN Auditoria de Segurança do Trabalho

 graficos hrn auditoria de segurança do trabalho

graficos porcentagem hrn auditoria de segurança do trabalho

 

 Entre em contato e tenha melhores detalhes com nossos consultores.


O que é uma Auditoria de Segurança do Trabalho?

A auditoria é um processo sistemático, independente e documentado para se obter evidências e avaliar de forma objetiva o atendimento de critérios relacionados com vários processos industriais e gerenciais. É um instrumento gerencial que tem como objetivo identificar parâmetros não-conformes que reduzem o desempenho da qualidade de produtos, operações, logística ou aumentam os riscos de acidentes ou doenças profissionais no ambiente de trabalho.

Portanto, a auditoria de Segurança do Trabalho define um processo estruturado para a coleta de informações sobre a eficiência e confiabilidade do sistema de gestão de Segurança e Saúde do Trabalho. É um instrumento importante para que a organização possa se autoavaliar e subsidiar a elaboração do plano de ação, com vistas a adequação das não-conformidades identificadas.

Estas devem ser realizadas por profissionais com conhecimento específico (técnicos, engenheiros e/ou operadores ou profissionais habilitados) dos critérios a serem auditados e devem possuir um escopo. Os profissionais que realizam a auditoria, auditores, não devem estar envolvidos com a atividade sob processo de auditoria.

Tipos de auditoria de segurança:

Uma auditoria pode ser originada por qualquer parte interessada de uma organização e ter objetivos distintos. Dessa forma, distingue-se três tipos de auditorias:

  • Auditoria interna ou de primeira parte: conduzida pela própria organização com o intuito de melhorar o seu desempenho e reduzir as não conformidades de SST.
  • Auditoria de segunda parte: determinada pela organização a uma subcontratada (fornecedor ou prestador de serviços) com o intuito de identificar as não conformidades de SST.
  • Auditoria externa ou de terceira parte: conduzida por entidades externas independentes e acreditadas para efeitos de certificação.

Os requisitos ou critérios de uma auditoria são estabelecidos a partir de parâmetros internos ou externos como, por exemplo, as Normas Regulamentadoras (NR’s), normas técnicas da ABNT, Recomendações Técnicas de Procedimentos da Fundacentro, normas ou diretrizes de gestão da qualidade, meio ambiente e SST (ISO, OHSAS, TS).

Planejamento e implantação de auditorias de segurança

De forma geral, uma auditoria de segurança envolve três fases:

  • Preparação: envolve a elaboração do Plano de Auditoria, documento de planejamento das atividades, que inclui o objetivo da auditoria, critérios e documentos de referência para a auditoria, escopo da auditoria (processos que serão auditados) e data e local da auditoria. Ainda na fase de preparação deve ser formulado o checklist para a auditoria.
  • Execução: aplicação do checklist, contendo as observações em campo, bem como o registro das evidências (fotos, vídeos e documentação).
  • Elaboração de relatórios: contendo a descrição das atividades realizadas, lista das não conformidades identificadas, evidências e plano de ação.

 Benefícios da auditoria de segurança

  • Reduz os riscos de acidentes de trabalho e doenças profissionais
  • Subsidia a priorização das ações de segurança do trabalho
  • Melhora o ambiente de trabalho
  • Aumenta a eficiência e produtividade dos processos internos
  • Reduz os custos operacionais
  • Documenta o processo de Segurança do Trabalho, reduzindo as penalidades ou multas das agências fiscalizadoras
  • Promove uma avaliação de desempenho a partir da segurança do trabalho da indústria.